in

Estar além

Icebergs - Estar além

Estar além, pá. Estar além. Como se a nossa vida não vivesse em nós, mas nos sonhos de viver e nas vivências de sonhar.

Como se o estar aqui não fosse mais do que uma projeção passada do local onde, na realidade, já estamos, mas ainda não nos demos disso conta, senão no sonho do que nos definirá e que definirá a ânsia, para, dele partindo, o alcançar.

Um sonho que não é mais do que um suspiro, uma pausa para desejar a saudade do que nunca se teve, dum presente que é sempre passado vivido no sonho de estar além.

E no fim, mesmo no fim, no fim do que já não somos e onde presente e futuro mergulham no passado, fica o promontório do destino incólume, irredutível e incompreensível, como corno de rinoceronte decepado, imponente e inútil, só e irresistível, altivo como um pedinte sujo e alucinado.

Como o alfa e o ómega de uma existência indiferente.

Outros poemas.

Written by Pedro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Graffiti máscara covil-19

X

Beijo

Pedi-te um beijo