Mais posts

  • Tablet e planta
    in ,

    Finalidade

    Passa a torrente apaixonada do ímpeto E nada mais fica no ecrã de luz branca Que o poema ditado pelo passageiro Incomodado por ser irremediavelmente Um triste narcisista sem reflexo que se olhe Lhe segure a mão e lhe dê o alento Necessário para não ter de se perguntar: Para que servem essas palavras? Quem as tomará para si? O […] Mais

  • Busto de perfil
    in ,

    PSFB

    Nada sinto em mim até ao momento em que o escrevo. Não existo até à hora em que a minha vida é transposta em palavras, visível apenas num reflexo de contornos difusos, entrevista nos espaços deixados pelas palavras na negra mancha de texto. Como se tudo o que sou: Fosse o sol conhecido pelo calor que deixou na areia da […] Mais

  • Crânio e flor
    in ,

    Ser ou não ser

    Ser ou não serEis a questãoDo amanhecerAo limite da solidão Do sono que esqueceÀ saga nua que viveuSe fasciculada saísseDas páginas intoxicadas da Orpheu Se é porque respiraOu se detém de razãoSe termina em grossa piraOu se transcende o coração Se começará a vidaNo primeiro dia do serOu estará adormecidaAté ao dia de morrer A questão não é maisQue a […] Mais

  • Universo
    in ,

    Confinado ao universo

    Tão presa à vidaA alma é solidãoPor se ver contidaNa negra vastidão Tivesse eu algemasFosse esta a prisãoCercado por barrasA que deitar a mão Fosse o meu olharPor barreira obstadoE sonharia escaparA viver vedado Levantasse o véuComo por esmolaVeria também euO céu que consola Eis-me tão confinadoCercado de horizonteDe infinito aprisionado Onde me sinto a monteQual bandido renegadoPerseguido mas insonte Mais

  • Silhuetas em palco
    in ,

    Hamlet

    Paira sobre ti uma complexa simplicidadeComo se o que sabes não olhasse ao que és Habitas o tempo das cavernas celestiaisEnraizadas nas memórias de primatas oblíquosCego pelo deslumbre da pertença a um clube que criasteE ao qual nunca foste admitido Exalas das páginas de uma história míticaIndistinta e monocórdicaUma magnificência académicaDespojada de vida própria Partilhas uma realidadeQue constróis e na […] Mais

  • Mulher com cabelo esvoaçante
    in ,

    Sobre a distância

    Só de Longe vejo o beloBenefício da distânciaPois chega tão só o zeloDelicado da fragrância Distanciado do mundoPurificada a visãoAbala-me o mais profundoDas coisas que há e não são Também de ti ó meu amorEm memória recortadaAcende em mim o calorDa beleza inalterada Mas tão contrário a este mundoQue perto me faz doerUnido a ti sou fecundoMinha musa por mulher Mais

  • Floppy Disk. Arquivo
    in ,

    Memória

    Do que é nada, tudoSurgido como o mitoO pleno da existênciaDoloroso e gratificante Como uma memóriaApontada à cabeçaDirigindo mão e olharAfunilando a escolha Que cega a acçãoDo olhar alto e servilQue trava a escutaNo fim dos arcos-íris Passa o tempo quietoPor círculos a direitoFilmados a luz e dorBafientos, frios e baços Como se o corpoNão fosse teuMas emprestadoPor ti a […] Mais

  • Praia de Leça
    in ,

    Verde e Azul

    Hoje estás verde. Verde como uma Esmeralda que se beija aos dezasseis. Por cima de ti, está azul. Azul rijo, como as Cerejas que se comem aos trinta. A meio, uma linha. Uma linha que separa Esmeraldas de Cerejas. Uma linha que só alcançarás quando for tarde demais. Uma linha que não existe por estar à frente dos olhos de […] Mais

  • Sombra de estores em parede
    in ,

    Sobre o dia que nasce

    É dia, mas não ainda para mimLá fora correm luz, sons e pessoasActantes do que faz um dia, dia O sol desperto, espelha-se no mar, em distanciamento lentoAs flores dançam, animadas pela musicalidade da brisaOs pássaros há horas que deixaram de cantar Uma nesga de dia penetra, feliz, o quartoEste mundo, suspenso, é puxado para o de lá de foraLentamente, […] Mais

  • Aves em mangal seco
    in ,

    Fosse eu…

    Fosse eu outro e não te amariaNeste amor a carmim e quenteFosse eu o céu azul e não seriaCoração que lampeja ao ver-te Saltasse eu pelo mundo absortoDe quem vê a verdade num pauE não serias a canção no PortoDe um rio que por ti passo a vau Fosse eu uma árvore pequeninaE cresceríamos unidos pela vidaGravarias o teu nome […] Mais

  • Doação de sangue
    in ,

    Sobre a dádiva

    Parte de mim o que será outroInsuflando um ser que não euDo que sou para lá de mim Vida entregue à máquinaParcial e friamente devolvidaPlanta-me num desconhecido Enche e vaza a pequena tinaDe vida diluída em sangue vivoMultiplicando a unidade do ser Lá fora o mundo num vaivém sem trocaFixo eu…Parte de mim o que será outro Mais

  • Nuvens à distância sobre o mar
    in ,

    Vento Norte

    Sinto em mim o vento do norte empurrando para longe a cordilheira de água que escurece o horizonte do olhar ; Como uma montanha mágica ; Donde Os arco-íris fogem ; A frescura do dia é igual ao afago da noite ; e A nortada que passa em mim não mexe os fantasmas bordeantes do azul do céu abobadado ; […] Mais

  • Dente-de-leão
    in ,

    Sobre o Dente-de-leão

    Na minha negra secretáriaUm dente-de-leão espera partirCalmamente num copo de shotSem brisa que o faça fugir Leve e diáfanoSofre só de pensarO vento lá foraA soprar Dente-De-LeãoÉ frágil o teu coração Dente-de-leão tão quedoE mudo nessa doçuraDe dente mansoQue morde com candura Sonha partir(se) voandoSem rumo nem passaportePor entre pássaros e caosSonhando um muro por sorte Dente-De-LeãoÉ forte a tua […] Mais

  • Selva
    in ,

    Contigo em todo o lado

    Estás comigo em todo o ladoAinda que seja pela noiteNegra fria e de céu veladoSem regaço que me acoite Estás comigo em toda a partePor muito sozinho que estejaConfinado entre a Terra e MarteNum carreiro gélido que flameja Estás comigo no quenteDo tempo vivido amandoO amor de estar presente No silêncio do teu comandoDe que só o amor consenteEstás comigo […] Mais

  • Antílope
    in ,

    Porque sonhava

    Afundava a cabeça na almofadaFundia o corpo nos lençóisPerdia-se na luz que era a escuridãoDa noite que chegada há horasSó agora lhe tocava o serE o pintava de sono De olhos voltados para o seu universoEm distendidos reflexos da vozAbandona as margens seguras de siOnde é senhora do seu destinoPara navegar histórias de quem não ousa serEntre sopros compassados de […] Mais

  • deserto mítico
    in ,

    Sobre esta felicidade

    Voa solto o sopro da escuridãoSobre um qualquer macaco de imitaçãoDe cinza bicho indiferente e amorfoPerdido no fim de si mesmoDespido da forma que temSaudoso de tempos coloridos e arejados Num mundo reduzido tudo apertaRedutor e retraído é o espartilhoDe vento enjaulado e sol esbatidoDe véus agnósticos fluídosMedos de compendios extraídosRiscando liberdade no ressoado dos vidros Iça tarde o corpo […] Mais

  • Graffiti máscara covil-19
    in ,

    X

    Percorre no profundo de tiQual lagoa no fundo do marSereno segredo que senti As quentes candeias do teu olharPor mares castanhos me perdiDesfolhando o livro de te amar Nos dias lentos de pandemiaEm fresco abrir da boca por dentroBrilha forte onde antes se escondia E lavra do esmorecido o centroFulcro da paixão de cada diaGerme futuro de paixão adentro Mais

  • Nascer do sol sobre o mar
    in ,

    Que o sol da tua boca

    Que o sol da tua bocaSeja o meu dia mais frioPor temor a um calor vazioInflado de nuvem barroca Que o céu do teu corpoSeja o mais perto de mimAmado amante sem fimDespido, o desejo encorpo Que a cor do teu sopro doceSeja a vida nas minhas veiasDe castelos móveis sem ameiasSonhando que medo me roce Que sejas para sempre […] Mais

  • Homem em pé na proa de bote
    in ,

    Capitão do meu coração

    Quisesse eu ser num dia só o teu abraçoApertado no corpo de nós os doisDeitados no ventre que se encheu depoisCaminhando firmes rumo ao cansaço Quisesse eu ser o Capitão da minha almaNo vasto horizonte do olhar namoradoQue deixa cativo o mais forte e testadoImpotente perante a voz que me acalma Não quereria nem mais posso quererDiante de ti ó […] Mais

  • Só numa praia
    in ,

    Sobre o medo

    Perdido, escuro, só, deitado com a mão fora da camaConfuso, sonoro, alto, pendente da vertente de uma montanhaFugindo do eco dos próprios passos na rua nua e vaziaOlhar o cão que nos espera na curva do caminhoDizer-te mil vezes amo-te sem nunca abrir a boca Esperar por toda a vida que nunca chega por troca da que tem voragem de […] Mais

  • Árvore estilizada
    in ,

    Sobre a eternidade

    — E agora que és eterno, que pensas fazer? Conhecer e compreender e saberAo ver firmemente o que é amarSorvendo a viagem como destinoDe Kerouac em redondo renascerEm apor a voz nas ondas do marLançadas à inocência de menino Ler nos olhos a vida que passaNo olhar das gerações fundidasQue é ser Homem e Mulher e SerMais do que um […] Mais

  • Silhueta no horizonte
    in ,

    Sobre a solidão

    SóTão só como o fogo que ardeConsumido sem partilharO que lhe é dado para amar SóTão só como o sol que escondeSeu congénere mais distanteEm véu quente e ofuscante SóTão só como o velho de frondeLarga como o desespero frioDa foz que acolhe o seu rio SóTão só como o mundo covardeQuerendo a tudo que faz nascerNada mais que penar […] Mais

  • Rapariga à chuva
    in ,

    Sobre a impermeabilidade

    Deixo a cidade para trásEmbrenho-me pelo ferro que se estendeÀ minha frente em síncopes visuaisDesaparecendo a silêncios ritmados Mil cavalos me puxam pelo denso do nevoeiroOnde bois ocultos aguardam que o medo lhesPasse pelas ventas molhadas para bufarFincados nos cascos e nada mais Chora por fora o vidro que separa este mundo do outroOuve as conversas deste de cá de […] Mais

  • Homem perante universo
    in ,

    Sobre o céu e a terra

    Deixo que nuvens, apartando-se, revelem a abóbada negra do firmamento côncavo, frio, suturado e impreciso da mente Estilhaçada em milhares de milhões de turbilhões de estrelas, cometas, planetas, mundos inteiros, rodopiando invisíveis, pontinhos de luz, branca e trémula Num firmamento semeado de pensamentos livremente presos, uns aos outros, por nada mais do que rodopios imemoriais de atração gravítica E logo […] Mais

Load More
Congratulations. You've reached the end of the internet.