Mais posts

  • Cadeira em armazém abandonado
    in

    Sentado

    Sentou-se, como fazia desde que se lembrava, na cadeira no centro mais soalheiro do armazém devoluto. Era um armazém estranho. Nos andares superiores de um arranha-céu que, por ter as fachadas envidraçadas, mostrava mais do mundo que de si, altaneiro e triste como um castelo desarmado, tinha janelas por paredes sem ameias que enchiam de […] Mais

  • Storytelling e outras Cenas: 2006 – 2021 eBook Kindle 
    in ,

    Storytelling e outras Cenas: 2006 – 2021 eBook Kindle

    StoryTelling e outras cenas é uma coletânea de textos escritos ao longo de 15 anos. Histórias de amor e histórias de desencontros. Mergulhos na complexidade humana e no desejo de viver à parte da própria vida, como se o nosso reflexo nadasse com os peixes dentro do aquário e, tal como os peixes, nele fossemos […] Mais

  • árvore de natal desfocada
    in

    Urbi et Orbi

    Pela manhã do dia de Natal, os nossos tios maternos, como bons homens portugueses, nada tinham para fazer. O trabalho de limpar o que ficara da ceia da véspera e preparar a refeição seguinte, faustosa aos olhos dos pobres que éramos, recaía sobre as nossas tias, reunidas em casa da nossa avó. Nos anos em […] Mais

  • Crânio e flor
    in ,

    Ser ou não ser

    Ser ou não serEis a questãoDo amanhecerAo limite da solidão Do sono que esqueceÀ saga nua que viveuSe fasciculada saísseDas páginas intoxicadas da Orpheu Se é porque respiraOu se detém de razãoSe termina em grossa piraOu se transcende o coração Se começará a vidaNo primeiro dia do serOu estará adormecidaAté ao dia de morrer A […] Mais

  • Shopping
    in

    Do que não é

    É um lugar despido de humanidade, como aqueles que enganam os sentidos, emanando calor falso, exalando promessas etéreas de remorso revestido a felicidade. É um lugar projectado das luzes coloridas (agora de frio díodo) e de enxames de frases vazias afixadas no que sobra do eu, do tu enquanto apêndice do eu, da perene necessidade […] Mais

  • Universo
    in ,

    Confinado ao universo

    Tão presa à vidaA alma é solidãoPor se ver contidaNa negra vastidão Tivesse eu algemasFosse esta a prisãoCercado por barrasA que deitar a mão Fosse o meu olharPor barreira obstadoE sonharia escaparA viver vedado Levantasse o véuComo por esmolaVeria também euO céu que consola Eis-me tão confinadoCercado de horizonteDe infinito aprisionado Onde me sinto a […] Mais

  • Silhuetas em palco
    in ,

    Hamlet

    Paira sobre ti uma complexa simplicidadeComo se o que sabes não olhasse ao que és Habitas o tempo das cavernas celestiaisEnraizadas nas memórias de primatas oblíquosCego pelo deslumbre da pertença a um clube que criasteE ao qual nunca foste admitido Exalas das páginas de uma história míticaIndistinta e monocórdicaUma magnificência académicaDespojada de vida própria Partilhas […] Mais

  • fotos instantâneas
    in ,

    De ti

    Invade-me a memória da tua pele na minha pele, dos meus lábios perdidos no teu pescoço, do mar cantado no teu cabelo que voa e soa a jugo de liberdade, à doce rendição de nos trazer comigo, sempre e a toda a hora. Estás em mim como nas vidas que criamos; lançadas à vida, tão […] Mais

  • lago de montanha invertido
    in

    Apenas azul

    Vejo-te ao longe, como num sonho. Daqueles onde navego ao sabor de brisas carinhosas, com nuvens de arranha-céus invertidos, bases perdidas na distância das alturas, pendurados como fitas de papel, na manhã de um arraial esquecido. O som é fresco, emanando de águas invisíveis, agitadas por pagaias imponderáveis e líquidas. O ar corta-se a trinados […] Mais

  • Porto numa tarde de chuva
    in

    Colour

    O casario recortava o céu argentino oxidado, a pedir pasta de dentes. E o recorte era de tal modo cristalino e afiado que parecia tratar-se de uma fotografia montada num editor de imagem digital, tal era a pureza da fronteira entre céu e casas, entre o que o homem deseja e o que o homem […] Mais

  • Canhão do Lapedo
    in

    Por amor

    Ôma sente uma dor que conhece bem. Uma dor que todos naquele grupo familiar partilham, especialmente a mãe do seu companheiro e as pequenas irmãs e irmãos dele. Também ele está triste mas, ao contrário de Ôma, chora. Ôma olha o companheiro e gostaria de lhe perguntar porque correm dos seus olhos lágrimas em contínuo. […] Mais

  • Flores cor-de-laranja
    in

    Às Flores

    Já só te vejo em sonhosMas oiço ainda a tua vozNo teu sorriso cúmpliceQue leva a dor da perda Ainda estás em tudo que é nossoAinda choro ver-te para lá do eu Vives agora em mimVives no que criamosSerás sempre real eSempre vivo em mim És o abraço que ficouDos braços que partiramÉs o beijo […] Mais

  • Mulher com cabelo esvoaçante
    in ,

    Sobre a distância

    Só de Longe vejo o beloBenefício da distânciaPois chega tão só o zeloDelicado da fragrância Distanciado do mundoPurificada a visãoAbala-me o mais profundoDas coisas que há e não são Também de ti ó meu amorEm memória recortadaAcende em mim o calorDa beleza inalterada Mas tão contrário a este mundoQue perto me faz doerUnido a ti […] Mais

  • Floppy Disk. Arquivo
    in ,

    Memória

    Do que é nada, tudoSurgido como o mitoO pleno da existênciaDoloroso e gratificante Como uma memóriaApontada à cabeçaDirigindo mão e olharAfunilando a escolha Que cega a acçãoDo olhar alto e servilQue trava a escutaNo fim dos arcos-íris Passa o tempo quietoPor círculos a direitoFilmados a luz e dorBafientos, frios e baços Como se o corpoNão […] Mais

  • Praia de Leça
    in ,

    Verde e Azul

    Hoje estás verde. Verde como uma Esmeralda que se beija aos dezasseis. Por cima de ti, está azul. Azul rijo, como as Cerejas que se comem aos trinta. A meio, uma linha. Uma linha que separa Esmeraldas de Cerejas. Uma linha que só alcançarás quando for tarde demais. Uma linha que não existe por estar […] Mais

  • Patinhos pastando
    in

    Sobre sonhar (53)

    Hoje apercebi-me, estranhamente, mas sem surpresa que, mais do que a cores ou a preto e branco, sonho em sons. No jardim do milionário apaixonado, dormem patos e pessoas. Eles com o pescoço pousado sobre o dorso, como sabe bem aos que são patos; elas, as pessoas, aninhadas (como se estivessem à espera de nascer) […] Mais

  • Sombra de estores em parede
    in ,

    Sobre o dia que nasce

    É dia, mas não ainda para mimLá fora correm luz, sons e pessoasActantes do que faz um dia, dia O sol desperto, espelha-se no mar, em distanciamento lentoAs flores dançam, animadas pela musicalidade da brisaOs pássaros há horas que deixaram de cantar Uma nesga de dia penetra, feliz, o quartoEste mundo, suspenso, é puxado para […] Mais

  • Aves em mangal seco
    in ,

    Fosse eu…

    Fosse eu outro e não te amariaNeste amor a carmim e quenteFosse eu o céu azul e não seriaCoração que lampeja ao ver-te Saltasse eu pelo mundo absortoDe quem vê a verdade num pauE não serias a canção no PortoDe um rio que por ti passo a vau Fosse eu uma árvore pequeninaE cresceríamos unidos […] Mais

  • Doação de sangue
    in ,

    Sobre a dádiva

    Parte de mim o que será outroInsuflando um ser que não euDo que sou para lá de mim Vida entregue à máquinaParcial e friamente devolvidaPlanta-me num desconhecido Enche e vaza a pequena tinaDe vida diluída em sangue vivoMultiplicando a unidade do ser Lá fora o mundo num vaivém sem trocaFixo eu…Parte de mim o que […] Mais

  • Caderno e tablet
    in

    Sobre si 32

    Dou comigo a pensar se sobre escrevo o que penso, se escrevo o que sou, ou, por sortilégio que desconheço, escrevo somente as palavras que, como brisas, nos envolvem a todos e eu, de camaroeiro numa mão e lanterna na outra, as vou enredando nas noites de maré vaza e lua cheia que são os […] Mais

  • face de mulher
    in ,

    Sobre o olhar

    Não gostas que olhe para ti. E deixa-lo claro. Não o dizes com a boca, mas com o olhar vago, perdido pelos passeios ou pelo ecrã do telefone. Não o dizes com a boca, mas com o afago que a roupa, tua única fronteira, te dá. Avanças aparentemente indiferente, aparentemente feliz, aparentemente frágil. E eu […] Mais

  • melão
    in ,

    Sobre o sincretismo

    O melhor melão é o que cresce ao lado da malagueta. Aquele que se partilha, desde as suas raízes, trocando doçura por aventura. A dádiva e o recebimento, a troca, de raízes ou de fundamentos de vida, é a única via do desenvolvimento. Venha então o beijo dos Cátaros, venha o branco de Iemanjá, para […] Mais

  • Cravos vermelhos
    in ,

    C de Camarada 25

    Da orla do planalto da sua verdade, olhava a planície da incerteza que se estendia ao infinito, quilómetros abaixo dos seus pés, cravados no chão e ensanguentados de barro vermelho. Trazia numa das mãos a cabeça mirrada, muito para além do seu tamanho original, de um dragão outrora temível e, na outra, a espada, imaculada […] Mais

  • Gato dormindo em cima de muro
    in

    Dormindo 50

    Dormindo, é estaca caída, despido do ser, qual cela vazia que, dum panoptico sem propósito, ninguém observa. Vai treinando estar morto, desaparecido do mundo, do seu e do de todos os outros. Porque, se não está nos mundos deles, então eles, enquanto dorme, não estão no seu. E assim ficam, os mundos de todos e […] Mais

Load More
Congratulations. You've reached the end of the internet.