in

Num trono

Praia e mais nada

Um tapete de prata estende-se à minha frente num deserto azul; líquido e carregado; diáfano e gasoso. Nada mais existe, nem a areia sob os pés, nem a silhueta recortada no azul eterno. Voa redonda, em bicos de asa, fechada no silêncio do vazio que a sustém. Dá-se por gaivota, mas é alma negra; demarcada do universo. Voga num sem rumo determinado; atenta a tudo; sem nada ver.

Queimado o disco o cansaço do dia que se perde no estático das sombras longas adivinhadas, permite que o olhem; quase se torna amigo dos corações gelados; dos olhos pardos; das mãos desinfectadas e ressequidas, onde mora o medo que teima em não morrer:

  • Abolindo o amor ao toque dos meus olhos nos teus;
  • Do meu corpo no teu;
  • Da minha alma despida na tua alma desmedida.

Ah bicho:

  • Que nos vieste acordar para o que não queríamos saber;
  • Que nos obrigaste a amar sem afecto, a confortar com a frieza da distância.

Como te odiamos, bicho.

Por favor, deixa-nos; ou então, infecta-nos a todos; deixa que voltemos a ser unos, cúmplices pelo toque, companheiros no abraço, celebrantes da novidade do primeiro beijo.

Perdido numa seara

Perdido

Grafitti - mãos

25 de julho