Floppy Disk. Arquivo
Arquivo dos conteúdos publicados na página.
Maio 12, 2022
Passa a torrente apaixonada do ímpeto E nada mais fica no ecrã de luz branca Que o poema ditado pelo passageiro Incomodado por ser irremediavelmente Triste narcisista e sem reflexo que se olhe Que lhe segure a mão e lhe dê o alento Necessário para não ter de se perguntar:…
Maio 12, 2022
Maio 8, 2022
Nada sinto em mim até ao momento em que o escrevo. Não existo até à hora em que a minha vida é transposta em palavras, visível apenas num reflexo de contornos difusos, entrevista nos espaços deixados pelas palavras na negra mancha de texto. Como se tudo o que sou: Fosse…
Maio 8, 2022
Maio 4, 2022
Mar Gosto quando o mundo não é mais que mar e vento. A t-shirt a ondular por cima do umbigo arrepiado, a sombra espraiada na areia à minha frente, alheia a todo o sol da manhã. Gosto das ondas brancas pela frente, em contínuo murmúrio do nada que se torna…
Maio 4, 2022
Abril 25, 2022
Sentou-se, como fazia desde que se lembrava, na cadeira no centro mais soalheiro do armazém devoluto. Era um armazém estranho. Nos andares superiores de um arranha-céu que, por ter as fachadas envidraçadas, mostrava mais do mundo que de si, altaneiro e triste como um castelo desarmado, tinha janelas por paredes…
Abril 25, 2022
Março 24, 2022
StoryTelling e outras cenas é uma coletânea de textos escritos ao longo de 15 anos. Histórias de amor e histórias de desencontros. Mergulhos na complexidade humana e no desejo de viver à parte da própria vida, como se o nosso reflexo nadasse com os peixes dentro do aquário e, tal…
Março 24, 2022
Março 12, 2022
Exposição de trabalhos na Associação Macaréu A Macaréu – Associação Cultural (macareu.org), em parceria com a EB Bom Pastor e os técnicos AEC (Atividades Extra Curriculares) e AAAE-Caf (Animação e Apoio ao Estudo – Apoio à família) da Câmara Municipal do Porto, Pedro Manuel Azevedo, Vitória Moura, Yara Ribeiro e…
Março 12, 2022
Fevereiro 24, 2022
Ganha o Boris, pois ninguém mais o manda demitir-se; Ganham os estados unidos, pois vão vender gás a preço de ouro e ver a UE enfraquecer; Ganha a china, pois, perante a inação mundial, não tarda a silenciar em definitivo Hong-Kong, matar todos os Uigures e invadir Taiwan; Ganha a…
Fevereiro 24, 2022
Dezembro 25, 2021
Pela manhã do dia de Natal, os nossos tios maternos, como bons homens portugueses, nada tinham para fazer. O trabalho de limpar o que ficara da ceia da véspera e preparar a refeição seguinte, faustosa aos olhos dos pobres que éramos, recaía sobre as nossas tias, reunidas em casa da…
Dezembro 25, 2021
Dezembro 19, 2021
Ser ou não serEis a questãoDo amanhecerAo limite da solidão Do sono que esqueceÀ saga nua que viveuSe fasciculada saísseDas páginas intoxicadas da Orpheu Se é porque respiraOu se detém de razãoSe termina em grossa piraOu se transcende o coração Se começará a vidaNo primeiro dia do serOu estará adormecidaAté…
Dezembro 19, 2021
Novembro 26, 2021
É um lugar despido de humanidade, como aqueles que enganam os sentidos, emanando calor falso, exalando promessas etéreas de remorso revestido a felicidade. É um lugar projectado das luzes coloridas (agora de frio díodo) e de enxames de frases vazias afixadas no que sobra do eu, do tu enquanto apêndice…
Novembro 26, 2021
Novembro 5, 2021
Tão presa à vidaA alma é solidãoPor se ver contidaNa negra vastidão Tivesse eu algemasFosse esta a prisãoCercado por barrasA que deitar a mão Fosse o meu olharPor barreira obstadoE sonharia escaparA viver vedado Levantasse o véuComo por esmolaVeria também euO céu que consola Eis-me tão confinadoCercado de horizonteDe infinito…
Novembro 5, 2021
Outubro 11, 2021
Paira sobre ti uma complexa simplicidadeComo se o que sabes não olhasse ao que és Habitas o tempo das cavernas celestiaisEnraizadas nas memórias de primatas oblíquosCego pelo deslumbre da pertença a um clube que criasteE ao qual nunca foste admitido Exalas das páginas de uma história míticaIndistinta e monocórdicaUma magnificência…
Outubro 11, 2021
Setembro 30, 2021
Invade-me a memória da tua pele na minha pele, dos meus lábios perdidos no teu pescoço, do mar cantado no teu cabelo que voa e soa a jugo de liberdade, à doce rendição de nos trazer comigo, sempre e a toda a hora. Estás em mim como nas vidas que…
Setembro 30, 2021
Setembro 24, 2021
Vejo-te ao longe, como num sonho. Daqueles onde navego ao sabor de brisas carinhosas, com nuvens de arranha-céus invertidos, bases perdidas na distância das alturas, pendurados como fitas de papel, na manhã de um arraial esquecido. O som é fresco, emanando de águas invisíveis, agitadas por pagaias imponderáveis e líquidas.…
Setembro 24, 2021
Agosto 6, 2021
O casario recortava o céu argentino oxidado, a pedir pasta de dentes. E o recorte era de tal modo cristalino e afiado que parecia tratar-se de uma fotografia montada num editor de imagem digital, tal era a pureza da fronteira entre céu e casas, entre o que o homem deseja…
Agosto 6, 2021
Julho 27, 2021
Ôma sente uma dor que conhece bem. Uma dor que todos naquele grupo familiar partilham, especialmente a mãe do seu companheiro e as pequenas irmãs e irmãos dele. Também ele está triste mas, ao contrário de Ôma, chora. Ôma olha o companheiro e gostaria de lhe perguntar porque correm dos…
Julho 27, 2021
Julho 15, 2021
Quem se cruzou presencialmente com Rui Rio, sabe que ele é um homem de baixa estatura. Nas palavras do povo do norte, um caga-tacos. Os que apenas pela televisão ou em fotos nos média, o viram, podem, por comparação, comprovar esse facto. Contra isso nada feito, é assim a vida.…
Julho 15, 2021
Julho 8, 2021
Já só te vejo em sonhosMas oiço ainda a tua vozNo teu sorriso cúmpliceQue leva a dor da perda Ainda estás em tudo que é nossoAinda choro ver-te para lá do eu Vives agora em mimVives no que criamosSerás sempre real eSempre vivo em mim És o abraço que ficouDos…
Julho 8, 2021
Julho 6, 2021
Com o verão à porta, levar um livro para férias, pode evitar grande males como tardes a dormir, jogos de pétanque com pessoas que bebem direto do garrafão (não que isso seja mau, mas há o covid) ou não que param de falar do trabalho e dos colegas e descalçadelas…
Julho 6, 2021
Junho 21, 2021
Só de Longe vejo o beloBenefício da distânciaPois chega tão só o zeloDelicado da fragrância Distanciado do mundoPurificada a visãoAbala-me o mais profundoDas coisas que há e não são Também de ti ó meu amorEm memória recortadaAcende em mim o calorDa beleza inalterada Mas tão contrário a este mundoQue perto…
Junho 21, 2021
Junho 7, 2021
Do que é nada, tudoSurgido como o mitoO pleno da existênciaDoloroso e gratificante Como uma memóriaApontada à cabeçaDirigindo mão e olharAfunilando a escolha Que cega a acçãoDo olhar alto e servilQue trava a escutaNo fim dos arcos-íris Passa o tempo quietoPor círculos a direitoFilmados a luz e dorBafientos, frios e…
Junho 7, 2021
Junho 6, 2021
Hoje estás verde. Verde como uma Esmeralda que se beija aos dezasseis. Por cima de ti, está azul. Azul rijo, como as Cerejas que se comem aos trinta. A meio, uma linha. Uma linha que separa Esmeraldas de Cerejas. Uma linha que só alcançarás quando for tarde demais. Uma linha…
Junho 6, 2021
Junho 1, 2021
Hoje apercebi-me, estranhamente, mas sem surpresa que, mais do que a cores ou a preto e branco, sonho em sons. No jardim do milionário apaixonado, dormem patos e pessoas. Eles com o pescoço pousado sobre o dorso, como sabe bem aos que são patos; elas, as pessoas, aninhadas (como se…
Junho 1, 2021
Maio 26, 2021
É dia, mas não ainda para mimLá fora correm luz, sons e pessoasActantes do que faz um dia, dia O sol desperto, espelha-se no mar, em distanciamento lentoAs flores dançam, animadas pela musicalidade da brisaOs pássaros há horas que deixaram de cantar Uma nesga de dia penetra, feliz, o quartoEste…
Maio 26, 2021
Maio 26, 2021
Fosse eu outro e não te amariaNeste amor a carmim e quenteFosse eu o céu azul e não seriaCoração que lampeja ao ver-te Saltasse eu pelo mundo absortoDe quem vê a verdade num pauE não serias a canção no PortoDe um rio que por ti passo a vau Fosse eu…
Maio 26, 2021
Maio 25, 2021
Parte de mim o que será outroInsuflando um ser que não euDo que sou para lá de mim Vida entregue à máquinaParcial e friamente devolvidaPlanta-me num desconhecido Enche e vaza a pequena tinaDe vida diluída em sangue vivoMultiplicando a unidade do ser Lá fora o mundo num vaivém sem trocaFixo…
Maio 25, 2021
Maio 21, 2021
Fonte: YouTube – Cool Hand Luke (1967) – Failure To Communicate Scene (7/8) | Movieclips Mais
Maio 21, 2021
Maio 10, 2021
Dou comigo a pensar se sobre escrevo o que penso, se escrevo o que sou, ou, por sortilégio que desconheço, escrevo somente as palavras que, como brisas, nos envolvem a todos e eu, de camaroeiro numa mão e lanterna na outra, as vou enredando nas noites de maré vaza e…
Maio 10, 2021
Maio 5, 2021
Não gostas que olhe para ti. E deixa-lo claro. Não o dizes com a boca, mas com o olhar vago, perdido pelos passeios ou pelo ecrã do telefone. Não o dizes com a boca, mas com o afago que a roupa, tua única fronteira, te dá. Avanças aparentemente indiferente, aparentemente…
Maio 5, 2021
Abril 30, 2021
O melhor melão é o que cresce ao lado da malagueta. Aquele que se partilha, desde as suas raízes, trocando doçura por aventura. A dádiva e o recebimento, a troca, de raízes ou de fundamentos de vida, é a única via do desenvolvimento. Venha então o beijo dos Cátaros, venha…
Abril 30, 2021
Abril 25, 2021
Da orla do planalto da sua verdade, olhava a planície da incerteza que se estendia ao infinito, quilómetros abaixo dos seus pés, cravados no chão e ensanguentados de barro vermelho. Trazia numa das mãos a cabeça mirrada, muito para além do seu tamanho original, de um dragão outrora temível e,…
Abril 25, 2021
Abril 21, 2021
Dormindo, é estaca caída, despido do ser, qual cela vazia que, dum panoptico sem propósito, ninguém observa. Vai treinando estar morto, desaparecido do mundo, do seu e do de todos os outros. Porque, se não está nos mundos deles, então eles, enquanto dorme, não estão no seu. E assim ficam,…
Abril 21, 2021
Abril 17, 2021
Sinto em mim o vento do norte empurrando para longe a cordilheira de água que escurece o horizonte do olhar ; Como uma montanha mágica ; Donde Os arco-íris fogem ; A frescura do dia é igual ao afago da noite ; e A nortada que passa em mim não…
Abril 17, 2021
Abril 12, 2021
Na minha negra secretáriaUm dente-de-leão espera partirCalmamente num copo de shotSem brisa que o faça fugir Leve e diáfanoSofre só de pensarO vento lá foraA soprar Dente-De-LeãoÉ frágil o teu coração Dente-de-leão tão quedoE mudo nessa doçuraDe dente mansoQue morde com candura Sonha partir(se) voandoSem rumo nem passaportePor entre pássaros…
Abril 12, 2021
Abril 6, 2021
Estás comigo em todo o ladoAinda que seja pela noiteNegra fria e de céu veladoSem regaço que me acoite Estás comigo em toda a partePor muito sozinho que estejaConfinado entre a Terra e MarteNum carreiro gélido que flameja Estás comigo no quenteDo tempo vivido amandoO amor de estar presente No…
Abril 6, 2021
Abril 3, 2021
(no trono III) Era meia-noite e tinha perdido o melhor de mim.Doía-me ver-te olhar para mim como se eu já não existisse senão nas tuas memórias.Nem o doce sorriso que esboçavas com a boca fechada sobre si mesma, límpido e irresistível, como no dia em que me encontraste distraído e…
Abril 3, 2021
Março 24, 2021
Afundava a cabeça na almofadaFundia o corpo nos lençóisPerdia-se na luz que era a escuridãoDa noite que chegada há horasSó agora lhe tocava o serE o pintava de sono De olhos voltados para o seu universoEm distendidos reflexos da vozAbandona as margens seguras de siOnde é senhora do seu destinoPara…
Março 24, 2021
Março 22, 2021
Voa solto o sopro da escuridãoSobre um qualquer macaco de imitaçãoDe cinza bicho indiferente e amorfoPerdido no fim de si mesmoDespido da forma que temSaudoso de tempos coloridos e arejados Num mundo reduzido tudo apertaRedutor e retraído é o espartilhoDe vento enjaulado e sol esbatidoDe véus agnósticos fluídosMedos de compendios…
Março 22, 2021
Março 15, 2021
Há pouco, sentado num banco de jardim, pela primeira vez em semanas, meses, sei lá, percebi porque dizem os portugueses e dizem sobejamente os não portugueses, que Portugal é o melhor país do mundo. É que, sentado num banco de jardim inundado pelo sol de março, a pessoa (como tão…
Março 15, 2021
Março 13, 2021
O Projeto LONO é um espaço de oficinas educativas para crianças dos 0 aos 9 anos. Proporciona atividades criativas, onde as brincadeiras surgem naturalmente a partir de objetos e temáticas incomuns. Um espaço a visitar e deixar as crianças expressar-se. Sabe mais em: https://www.lonoproject.com Mais
Março 13, 2021
Março 13, 2021
Rendo-me, resignado, ao inútil do tempo eterno que é o céu de março, matizado ainda de fevereiro. De como o azul se deixa vencer pelo sol, pelo seu corpo imberbe, de astro rei que faz bailar todos em seu redor, em prisão rodopiante. É o preço a pagar pela vida;…
Março 13, 2021
Março 11, 2021
Pedi-te um beijoDaqueles pequeninosQue suspiram ao descolarOs lábios secos pela sofreguidãoDo amor que nos ata a alma e os corpos Pedi-te um beijoDaqueles pequeninosE deste-me uma vida todaEm cores de sonho de eternidadeDa tua boca o mar dos beijos que te peço Mais
Março 11, 2021
Fevereiro 26, 2021
Estar além, pá. Estar além. Como se a nossa vida não vivesse em nós, mas nos sonhos de viver e nas vivências de sonhar. Como se o estar aqui não fosse mais do que uma projeção passada do local onde, na realidade, já estamos, mas ainda não nos demos disso…
Fevereiro 26, 2021
Fevereiro 22, 2021

X

Percorre no profundo de tiQual lagoa no fundo do marSereno segredo que senti As quentes candeias do teu olharPor mares castanhos me perdiDesfolhando o livro de te amar Nos dias lentos de pandemiaEm fresco abrir da boca por dentroBrilha forte onde antes se escondia E lavra do esmorecido o centroFulcro…
Fevereiro 22, 2021
Fevereiro 18, 2021
Que o sol da tua bocaSeja o meu dia mais frioPor temor a um calor vazioInflado de nuvem barroca Que o céu do teu corpoSeja o mais perto de mimAmado amante sem fimDespido, o desejo encorpo Que a cor do teu sopro doceSeja a vida nas minhas veiasDe castelos móveis…
Fevereiro 18, 2021
Fevereiro 16, 2021
Quisesse eu ser num dia só o teu abraçoApertado no corpo de nós os doisDeitados no ventre que se encheu depoisCaminhando firmes rumo ao cansaço Quisesse eu ser o Capitão da minha almaNo vasto horizonte do olhar namoradoQue deixa cativo o mais forte e testadoImpotente perante a voz que me…
Fevereiro 16, 2021
Janeiro 26, 2021
Flor, ainda fresca, ainda com pétalas preguiçosas por abrir, sorri e pergunta qual o caminho. Sobre o caminho, o homem que ao seu lado se senta, com uma única flor por companhia, perde-se na pergunta. Ele, que tem uma única flor por companhia, vê passar a humanidade em ritmos desumanos…
Janeiro 26, 2021
Janeiro 25, 2021
Perdido, escuro, só, deitado com a mão fora da camaConfuso, sonoro, alto, pendente da vertente de uma montanhaFugindo do eco dos próprios passos na rua nua e vaziaOlhar o cão que nos espera na curva do caminhoDizer-te mil vezes amo-te sem nunca abrir a boca Esperar por toda a vida…
Janeiro 25, 2021
Janeiro 21, 2021
Há um vírus à solta entre nós. Um vírus que mina a confiança dos que não podem viver uns sem os outros. Condenados pelos genes a vivermos em comunidade, a razão apenas constrói em cima do que a natureza já moldou. A construção social é, em parceria estreita com os…
Janeiro 21, 2021
Janeiro 18, 2021
— E agora que és eterno, que pensas fazer? Conhecer e compreender e saberAo ver firmemente o que é amarSorvendo a viagem como destinoDe Kerouac em redondo renascerEm apor a voz nas ondas do marLançadas à inocência de menino Ler nos olhos a vida que passaNo olhar das gerações fundidasQue…
Janeiro 18, 2021
Dezembro 26, 2020
SóTão só como o fogo que ardeConsumido sem partilharO que lhe é dado para amar SóTão só como o sol que escondeSeu congénere mais distanteEm véu quente e ofuscante SóTão só como o velho de frondeLarga como o desespero frioDa foz que acolhe o seu rio SóTão só como o…
Dezembro 26, 2020
Dezembro 12, 2020
Deixo a cidade para trásEmbrenho-me pelo ferro que se estendeÀ minha frente em síncopes visuaisDesaparecendo a silêncios ritmados Mil cavalos me puxam pelo denso do nevoeiroOnde bois ocultos aguardam que o medo lhesPasse pelas ventas molhadas para bufarFincados nos cascos e nada mais Chora por fora o vidro que separa…
Dezembro 12, 2020
Dezembro 1, 2020
Deixo que nuvens, apartando-se, revelem a abóbada negra do firmamento côncavo, frio, suturado e impreciso da mente Estilhaçada em milhares de milhões de turbilhões de estrelas, cometas, planetas, mundos inteiros, rodopiando invisíveis, pontinhos de luz, branca e trémula Num firmamento semeado de pensamentos livremente presos, uns aos outros, por nada…
Dezembro 1, 2020
Novembro 14, 2020
Joana olhava a sua vida como quem olha e toma o peso a uma laranja na mão. Sentia-lhe a cor laranja de laranja vibrante, indeciso entre o vermelho e o amarelo, ouvia-lhe o peso que fazia ao saltitar levemente na mão, tomava-lhe o perfume cítrico de laranja acabada de colher…
Novembro 14, 2020
Novembro 9, 2020
Por ter crescido a rudes golpes de Nick Cave e The Smiths, nunca gostei do sol e sempre temi a ausência dele. Ficava-me, de Walkman no bolso do anorak, pelos esquálidos dias cinzentos do Porto, esmoleres da minha alma de jovem, sempre a rondar os arredores de si mesma. Confortado…
Novembro 9, 2020
Novembro 7, 2020
– Estou em ti, e tu estás em mim. Dizia o velho que perdia a vida que lhe foi dada, à mulher que perdeu tudo que o seu ventre lhe tinha dado. Ela olhou-o nesse momento e para sempre como se finalmente o conhecesse, como se de apenas alma ambos…
Novembro 7, 2020
Novembro 3, 2020
Passadas lá atrásAs passadas que guiaste guiadoPelas passadas passagensQue te trouxeram aquiSó Mas sempre acompanhadoPelos passos dos que em tiPassarame PassandoDeixaram as marcas dos passosQue passarás a quem para ti olhar Quando já fores passado Mais
Novembro 3, 2020
Outubro 29, 2020
Se há cores que cobrem as coisasTodas que existem nos meus olhosE se movem animadas pelas folhasDe universos permeados de escolhos Se há beleza no mundo feito de dorLancinada a cada dia morto o sonoVivido ao ritmo das mãos do escritorCavando regos digitais de abandono Se ainda há afetos e…
Outubro 29, 2020
Outubro 24, 2020
“Tento ser neutro”, diz ele com os nervos, perante a verborreia, adiantada a noite e o remorso de poder estar a fazer outra coisa, do velho horroroso. Sabe no entanto que tal lhe é impossível, como lhe é impossível olhar um sonho alternativo por aquilo que ele é, sem as…
Outubro 24, 2020
Outubro 12, 2020
O que é a viagem? Perguntas tu com a resposta à vista. Por não responder, avanças, em jeito de pergunta respondida, que não é o destino, muito menos o caminho. Tomas o meu olhar, lançado lânguido na tua direção, como assentimento, licença, direito a entrares na minha vida e continuas,…
Outubro 12, 2020
Outubro 5, 2020
No intervalo do tempoEnsaiado na vontade de furarAs horas que passam perdidasHá… O tempo do mar De estar junto a ele e com eleSaturar-me do som que irrompePor entre as ondas e a areiaPor entre as gaivotas que passam Voando Imunes ao olhar suplicanteDos olhos presos ao tempoQue voa sem…
Outubro 5, 2020
Setembro 22, 2020
Nice work, Pedro!Your research items reached 600 readsAchieved on September 22, 2020 Mais
Setembro 22, 2020
Setembro 16, 2020
Hoje lá longe, onde o destino é memória de outros tempos, memórias aguardam a sua vez, no mar, nas falésias, nos caminhos de terra batida e na água salobra da torneira. Trazida pelo vento leste que anima as folhas secas da palmeira que me protege e ensombra, a chuva penetra…
Setembro 16, 2020
Setembro 1, 2020
A propósito de um curto texto de Luís Osório no FB sobre como o ignóbil e mentalmente doente Trump defendeu um professo racista (visto por milhões de pessoas a assassinar dois manifestantes, que o perseguiam, e a ferir um terceiro), expõe a pobreza de escrúpulo e a devassidão moral do…
Setembro 1, 2020
Agosto 5, 2020
Minha amada mulher… Que te tornes o mito do nosso amor e vivas muito para lá de mim Que sejas cantada por poetas verdadeiros que dêem o teu verdadeiro corpo às palavras absolutas Que os mesmos poetas verdadeiros elevem o teu verdadeiro ser às estrelas para assim ficarem abaixo do…
Agosto 5, 2020
Agosto 2, 2020
Vão-se as horas e fica o tempo vazioApós todos os incrementos quantitativos do cansaçoO dia desmobiliza e se perde em passos finosDa luz que se esvai em sucessivas pinceladas deAmarelo alto, laranja heróico e vermelho frioAos poucos sumindo-se do olhar saudoso Quando sei que o dia acabou e a noite…
Agosto 2, 2020
Julho 27, 2020
Neste dia, seis anos antes do dia dos dias, lembro-me que quase não te vi. Tinhas-me dito que precisavas te libertar de quem nunca te conseguiu cativar. Estive longe de ti todo esse dia, com o pensamento em ti. No teu fato de banho rosa, nos teus cabelos de ondas…
Julho 27, 2020
Julho 25, 2020
Se me lembro de algo, do dia dos dias, foi que nos beijamos muito. Está nas fotos; estaria na gravação de vídeo que o tempo levou antes que a pudéssemos digitalizar. Lembro também que estavas linda. Que estávamos felizes; felizes como até aí nunca estivemos. Havia sorrisos, cerimónia e fotografias…
Julho 25, 2020
Julho 23, 2020
Um tapete de prata estende-se à minha frente num deserto azul; líquido e carregado; diáfano e gasoso. Nada mais existe, nem a areia sob os pés, nem a silhueta recortada no azul eterno. Voa redonda, em bicos de asa, fechada no silêncio do vazio que a sustém. Dá-se por gaivota,…
Julho 23, 2020
Julho 16, 2020
Podem animais facilmente perder-seEsquecem por desleixo o seu caminhoDepois farejam o chão como se fosseGrande fundo medo de ficar sozinho Só animais altos e baixos querem terMais dos altos e baixos por companhiaNum mundo excessivo onde se perderGrande pano veloz do dia-a-dia Tal como bicho que fareja seu igualRumo sonho…
Julho 16, 2020
Julho 7, 2020
1. Os bancos espalhados à volta do jardim, de um vermelho cansado, mais soalheiros ou mais sombrios, consoante a sorte de árvore que os apascenta ou a hora do dia, estão, ora habitados, ora devolutos. Nesta hora de sol a ser sol, e sem obstáculos à sua solidão, os bancos…
Julho 7, 2020
Julho 6, 2020
“Mason folheou todo o relatório e estudou as fotografias. Della Street olhava-o em silêncio, fumando um cigarro e acabando um cocktail.Pierre trouxe o jantar, admirou-se da distração de Mason e disse galantemente para Della Street:— Fico vinte anos mais novo, aposto o meu braço direito.Não — emendou de repente —…
Julho 6, 2020
Julho 6, 2020
Algo extraordinário me prende ao que sou hoje A força de um abraço que me solta da clausuraNuma liberdade de nada querer e nada desejar . . . Nascida do sol de uma noite de anos perdidosProcurando encontrar apenas na perda do SolO prazer em não ser mais do que…
Julho 6, 2020
Julho 1, 2020
Sentado em frente ao canal verde pelo lodo remexido à passagem dos escassos barcos com escassos turistas, olhava alheado a passagem de folhas e limos e espumas e detritos. Uma ocasional máscara, ou luva de plástico, trazida pelo vento da estação de serviço sobranceira ao muro onde uma mulher com…
Julho 1, 2020
Julho 1, 2020
Encontraram-se a meio de uma noite que findava no começo de um novo dia Trocaram olhares de dádivas sôfregas em noites claras que não passaram de efémeras carícias infinitas Amaram-se para sempre na proximidade de uma memória distante, perdida numa juventude que se encontra em cada foto recordada de uma…
Julho 1, 2020
Junho 30, 2020
Há dias de luarEm que a fresca luzTe deixa resplandecerDum desejo forte de amarQue vestes como alvo capuzDo corpo nascido para amanhecer Ânsias de luarEm dias tórridosDe invernos imóveisPrimaveras com falta de arEm frios dias entre dedos sumidosDebaixo de vidas forrando paredes frágeis Liberdade no luarÉ o que quero para…
Junho 30, 2020
Junho 29, 2020
Há os que dão e há os que não dão. Dos últimos, nada a dizer para já. Dos primeiros, os que dão, há os que quase nos arrancam o saco da mão; há os que fogem com o olhar mas que respondem ao repto levando o saco e trazendo um…
Junho 29, 2020
Junho 29, 2020
Choveu. Choveu muito. Como não chovia há anos. O solo, ontem um lago ilusório, seco e escaldado, é hoje um campo verdejante, minado de flores amarelas e vermelhas. Térmitas recolhem o que outrora foram leões e zebras e hipopótamos e tecelões, em bocadinhos de infinito. Do carbono ao carbono; quão…
Junho 29, 2020
Junho 25, 2020
A reformulação do maquinamundi.com teve como objetivo melhoramentos na legibilidade de posts mais longos, favorecer a visualização e procura de artigos e melhorias na navegação. Divirta-se. Mas antes consulte outro trabalho realizado aqui. Mais
Junho 25, 2020
Junho 21, 2020
[Afogamento — (s. m.), acto de afogar ou afogar-se; sufocação.] — Que fazes? — Tenho uma epifania. — Então – e pergunto-to apenas para que disso te dês conta – porque sei eu que em meia hora estarás morto? — Porque me dei conta que não existes. — Não existo?…
Junho 21, 2020
Junho 15, 2020
Homines quod volunt credunt A História é, sabemo-lo, queiramo-lo ou não, o relato dos acontecimentos passados. Como todas as ciências ou disciplinas científicas, tão vasto é o seu objeto, que o seu seccionamento se torna imperativo para um mais, ao mesmo tempo, circunscrito e abrangente rigor e entendimento desses acontecimentos.…
Junho 15, 2020
Junho 11, 2020
E não sobre toiros e toirada, porque sou do Norte e, como a tantos outros nortenhos, a tourada pouco ou nada me diz culturalmente. É então como nortenho, citadino e urbano e humanista que me refiro a touros e tourada. Sempre imaginei um mundo perfeito, no qual ser dever de…
Junho 11, 2020
Junho 9, 2020
Recomendo o Projeto NOVI – video e podcast de divulgação em ciência Podcast Vox ModumUma voz tranquila para a Ciência. Pitadas de humor, sarcasmo e toda a prescrição para combater um mundo contra-informado. Os maiores mistérios, do infinito ao infinitesimal – e passando por tudo o que está no meio…
Junho 9, 2020
Junho 8, 2020
Antes da paragem onde sairia pela última vez, mandou um dos pés à frente. O pé bom, aquele que marcava os golos quase todos, o que dançava melhor e o que sabia sempre quando ia chover. O que sobraria de si ficou no elétrico, esperando a chegada da paragem. Sentado…
Junho 8, 2020
Junho 2, 2020
Para te ajudar a perceber o que tu já sabes, mas a idade (ainda bem) te eleva noutras direções, talvez beneficies e quebres a relutância que trazes para com os investigadores e a investigação científica se identificares e diferenciares dois conceitos simples: rigidez (1. Qualidade ou estado de rígido; 2.…
Junho 2, 2020
Maio 22, 2020
Assim te olhoNua por entre lençóisDe ondas brancas A Terra um diaVai olhar para nós eManda um vírus Mãe, vaso e nauQue nunca parte em mimFica o amor O corpo fixoDo tenso peito partiuPara lá de si Branca de neveCasta pela invejaDo belo fugaz Pelo teu olharFlui o rio do…
Maio 22, 2020
Maio 21, 2020
Imerso nas gentes que saem cada vez mais e cada vez mais confiantes às ruas da cidade, como caracóis que emergem dos recessos dos muros e das folhas de couve para sorverem a manhã húmida, sigo finalmente sozinho comigo mesmo. Faço o percurso mais ou menos habitual, porque nunca me…
Maio 21, 2020
Maio 5, 2020
Na praça da cidade esquecida pelas visitas, Indigentes e Desocupados perseguem vidas de exclusão, impermeáveis ao pequeno travão que por ser pequeno, nem o vimos chegar e nos ajoelhou a todos. São Pretos de canadiana gasta, são Velhos de barba e gorro sujos, são Mulheres acabadas pelo álcool, invisíveis aos…
Maio 5, 2020
Abril 28, 2020
I colhe as palavras do firmamento da língua para as derramar musicalmente por brancuras de neve perfumada; embala sonhos de musgo pelas dunas do amor, descendo desespero subindo esperança; deixa no horizonte silencioso promessas de solos férteis em memórias de arranha-céus candentes e vagos; arranha a consciência do cão que…
Abril 28, 2020
Abril 27, 2020
A doce luta. Só tens de a por a andar. Mais
Abril 27, 2020
Abril 24, 2020
Há uma praia que visito sempre que posso. É uma praia sempre deserta, com um areal limpo e alisado pela cheia da maré. O ar está sempre fresco, a maresia aviva o espírito e faz o corpo corresponder com saltos pelas pedras que a baixa-mar expõe. Procuro caranguejos por debaixo…
Abril 24, 2020
Abril 24, 2020
Todos os heróis são involuntáriosSai-lhes da mão a históriaPorque ao destino são contrários Alvo de honra e memóriaPor alto erguerem a sua espadaOs cobrem de fama e glória São como vela ao vento enfunadaAríete ao destino lançadoFindo o vento mais são que nada É o vento o fado douradoQue resgata…
Abril 24, 2020
Abril 20, 2020
Esplanada Imagino-me sentado numa esplanada batida pelo sol que dissimula o seu intento soprando-me uma brisa redonda. Sentado só, numa mesa para quatro rodeado de mesas vazias, pés na cadeira oposta e costas reclinadas, encaro o sol de olhos vedados e ouvidos abertos ao mar hesitante. Sobre a mesa: uma…
Abril 20, 2020
Abril 18, 2020
Porque a luz em Caravaggio é pandémica A imensidão negra é inundada de luz no mais íntimo do que somos. Como se apenas a noite que amanhece na persistência das sombras, deixa para trás languidamente e se evapora na luz do dia que irrompe em onda mansa, nos deixasse cegos…
Abril 18, 2020
Abril 15, 2020
Há anos que dançamos juntosSem mais que dádiva por féAbraçados, separadosDançamos em péDançamos deitados Há anos que dançamos juntosAo ritmo do nosso amorDançamos na alegriaE dançamos na dorDançamos na euforiaDe viver dançando a florQue é uma vida que dançaDo nascimento ao estertor Mais
Abril 15, 2020
Abril 7, 2020
Livro em formato PDF Mais
Abril 7, 2020
Abril 1, 2020
Ponto I O dia amanheceu esconso; céu frio e vento austero, como se o inverno se propagasse tal qual vírus cristalino que contagia a primavera. De pé, à janela, encaro o logro meteorológico como um jornal mudo. Passa um senhor e depois um carro. Passam mais um ou dois carros…
Abril 1, 2020
Março 30, 2020
É domingo e, lá fora, o céu é de azul grisalhoÁrvores pastoreiam pássaros nos seus galhosVelhos, indiferentes ao seu sacrifício, circulamEu leio Pessoa e escuto, na rádio fria, ZambujoE estes versos surgem por mão um intruso sujoFarto das paredes enquanto velhos circulam É primavera e não sinto a frescura dos…
Março 30, 2020
Março 22, 2020
Amar-te é hoje lembrar todos os beijos trocadosAmar-te é hoje acariciar a tua face com o olharÉ Revisitar um livro de cores, odores e saboresNo sempre cálido rio onde nos vamos banhar [e]Secar-mo-nos a panos de esperança bordados Mais
Março 22, 2020
Março 21, 2020
A minha cidade está vazia Como uma casa de pedra Que de tão vivida ficou fria Uma ínfima sombra medra Um peneireiro voa na VCI Uma vinha súplica a redra O ar cheira a ficar por aqui Á’braçarmos com a alma Abraço e o beijo que perdi No encontro de…
Março 21, 2020

Voltar ao início | FB | In