in

Ceifeira de Guerra

Máquinas de guerra de Leonardo DaVinci

Por olhar para a Ceifeira de Guerra de Leonardo da Vinci.

A guerra é espanto
A fome, purificadora
A ditadura, harmoniosa
E deus, esse, está morto

Morto ele, morto por ele
Tão morto que vive
De tão vivo que morre
Morro sem morte

O cordeiro mostra os dentes
O íbis exibe as garras
Deus revela a negra fauce
O tirano adormece crianças

Perante todos sangrará o
Porco, deitado no prato
Preto da balança.
No branco, cabe todo o resto.

villain / vilão

a conversa

villain / vilão

beija-me