in

O sonho

villain / vilão

Vi-te morta.
Estava a dormir.
Foi em sonho,
Mas não importa.

Apertou-se-me o peito ao sentir a tua pele fria;
O teu suave respirar que já não existia.
Estava a dormir e não sabia se eras tu ou o teu amor que morria.

Vejo-te prostrada, esventrada.
E a faca ensanguentada,
Diz-me que estás morta.

Sei que a meu lado respiras.
Que posso ver o teu rosto,
Entre os cabelos que caem em tiras.

Horrorizo, estremeço. Pulo na cama e volto ao começo.
É tudo tão falso, a faca, o sangue, chegas a rir.
Mas basta-me imaginar-te morta para contigo querer partir.

Se respiro, é por ti.
Se amo meus filhos, é porque são teus.
Se te vejo morta, mesmo a dormir, é o fim.

Hypnos, larga-me! Larga-me, já disse;
Que sono assim não é descanso, mas tortura, aldrabice.
Estás aqui porque queres, acordas quando quiseres.
Será mesmo dor, a dor que sentes?

um edifício mental, construído para reforçar a confusão e manter viva a chama
villain / vilão

Canção (de Fernando Pessoa)

villain / vilão

A estrada (1)