in ,

Barca d’Alva

Pedro e estátua de A Silva

Saio do carro, calor adentro, cansado e plácido perante a perspectiva do Douro à minha frente. Quando dou conta, estás sentado atrás de mim. Sereno, de mão no peito, como que gravando na memória esta paisagem que quiseste por única posse.

Choro por te ver, por me lembrar que te esqueço no dia-a-dia. A tua simplicidade avassaladora no destronar do que tínhamos por certo; o teu amor pelas crianças e pelos gatos; a tua visão de um Portugal grandioso, candente ao mundo e a cada um de nós.

Fica o momento, a fraqueza do ego, a memória da conversa no Largo de Santana que, tão novo, desbaratei, para reconstruir anos depois.

Written by Pedro

Phyllis and Demophoon

Fala-MeDaTuaVida

Avenida dos Aliados

Avenida da Derrota da Vergonha